O que é Cirurgia Refrativa a Laser?

estrutura do olho - corneaestrutura do olho
A cirurgia refrativa é um procedimento realizado através da aplicação de laser na córnea, para corrigir erros refracionais como a miopia, a hipermetropia e o astigmatismo.
Nosso olho tem uma lente natural com o poder de 40 graus, a córnea. A córnea a parte superficial do olho e que é transparente. Quando olhamos no espelho é possível ver a córnea diretamente, vemos o reflexo da luz na córnea. Na década de 90 aprendemos que modelando a córnea conseguimos corrigir o grau de miopia, hiperemetropia e astigmatismo. A modelagem com feixes de laser altera a curvatura da córnea e desta maneira corrigi o grau do olho.

Entendendo o que são erros refracionais

Miopia:

Miopia é a dificuldade para enxergar de longe. Em pessoas míopes os raios de luz atingem um ponto localizado antes da retina. Isso se deve a uma curvatura corneana aumentada ou um comprimento do olho acima do normal. Nesse caso, o laser irá aplanar a córnea a fim de que a imagem fique sobre a retina, tornando o olho emétrope, ou seja, corrigindo a visão.

Hipermetropia:

Hipermetropia se apresenta como uma visão ruim para perto e na maioria das vezes também para longe. Ao contrário da miopia, os raios de luz atingem um ponto localizado atrás da retina. Isso se deve a uma curvatura corneana diminuída ou comprimento do olho menor que o normal. Nesse caso, o laser irá encurvar o centro da córnea, com isso a imagem fica sobre a retina e a visão normal, sem necessidade de apoio de óculos ou lente.

Astigmatismo:

Astigmatismo é um erro refracional que pode estar associado a miopia ou a hipermetropia. No astigmatismo a imagem apresenta –se distorcida tanto para longe quanto para perto. Isso ocorre porque os raios se projetam em dois pontos distintos da retina. O laser irá regularizar a curvatura da córnea, tornando a córnea esférica, com isso a imagem ficará sobre a retina e a visão passará a ser nítida acabando com os transtornos causados antes da aplicação do laser.

Presbiopia:

Presbiopia, também conhecida como “vista cansada”, a visão torna-se ruim para perto. É o enrijecimento do músculo ciliar. Geralmente o processo, inicia-se após os 40 anos de idade, pois está diretamente relacionada à idade.

Técnicas Cirúrgicas: PRK e LASIK

A técnica cirúrgica que será indicada é definida pelo médico e depende de uma avaliação pré operatória criteriosa.

PRK

Na técnica PRK a aplicação do laser é feita numa área mais superficial da córnea, após a remoção intra-operatória de uma fina camada de células que recobre a córnea, o epitélio.
O laser é aplicado para a correção do erro refracional. Ao terminar o procedimento, uma lente de contato gelatinosa terapêutica é colocada para proteger a superfície tratada, e será retirada 5 a 7 dias após a reconstituição completa do epitélio.

LASIK

cirurgia refrativa - lasik
Nesta técnica o laser é aplicado na camada intermediária da córnea com a preservação da camada superficial, após a confecção de um disco superficial na forma de uma lentícula, preservando o tecido corneano, que é reposicionado sobre a área tratada imediatamente após a aplicação do laser. Em geral, não há necessidade do uso de lente de contato terapêutica no pós-operatório imediato.
A lentícula pode ser confeccionada através do microcerátomo ou com o laser de Femtosegundo. A diferença é que no primeiro é utilizado uma lâmina e no segundo a lentícula é feita a laser sendo mais seguro e menos invasivo.

Resultado do Procedimento com Laser

Em todos esses problemas refracionais os resultados do tratamento com laser são efetivos resolvendo a dificuldade de enxergar e proporciona ao paciente visão nítida e o abandono dos óculos ou lente de contato.

Todas as pessoas podem ser submetidas a Cirurgia Refrativa?

Apenas uma avaliação médica criteriosa com base em exames oftalmológicos confiáveis poderá determinar se o paciente está apto para passar por este procedimento e ficar livre dos transtornos de usar óculos e lente de contato.
Para um ótimo resultado, é necessário o preenchimento de alguns critérios de segurança como:

  • Idade superior a 21 anos;
  • Ausência de doenças oculares infecciosas em atividade (conjuntivite, blefarite, ceratite, úlcera de córnea entre outras), e ou irregularidades corneanas como ectasias (ceratocone e degeneração marginal pelúcida);
  • Ausência de gravidez ou durante fase de amamentação.