O que é Glaucoma?

O glaucoma é uma das principais causas da cegueira, sobretudo entre as pessoas mais idosas. No entanto, a perda de visão provocada pelo glaucoma é evitável se se procurar tratamento ainda no início da doença.
O glaucoma é uma doença do nervo óptico. O nervo óptico leva até ao cérebro as imagens que vemos. Muitas pessoas sabem que o glaucoma tem algo a ver com a pressão dentro do olho. Quanto maior é a pressão dentro do olho, maior é a possibilidade de lesar o nervo óptico.
O nervo óptico é semelhante a um cabo eléctrico contendo uma quantidade enorme de fios. O glaucoma pode danificar as fibras dos nervos, fazendo assim com que se desenvolvam pontos cegos.
Muitas vezes as pessoas só reparam nestas áreas cegas depois de o nervo óptico já ter sofrido danos. Se todo o nervo for destruído, ocorre a cegueira.
A pronta detecção e tratamento pelo oftalmologista são as chaves da prevenção de lesões do nervo óptico e cegueira por causa da glaucoma.

Como é o Tratamento do Glaucoma?

Em casos onde exista dano glaucomatoso evidente, pressão intra-ocular elevada não controlada com medicamentos, indica-se a trabeculoplastia a laser ou, ainda, a cirurgia anti-glaucomatosa.

Na trabeculoplastia o laser é aplicado diretamente sobre o trabeculado, ou seja, órgão responsável pela drenagem do humor aquoso e que, geralmente, encontra-se obstruído nos casos de Glaucoma.

O procedimento é indolor, não requer incisão cirúrgica, não altera a visão e tampouco a rotina diária do paciente. O laser é eficaz em controlar a pressão intra-ocular em, aproximadamente, 80% dos casos durante 2 anos mas, raramente, este efeito benéfico dura mais de 5 anos.

Atualmente, existem evidências indicando a cirurgia chamada trabeculolectomia como o modo mais eficaz e duradouro de controlar a pressão intra-ocular com consequente estabilização da função visual. A trabeculectomia é realizada sob anestesia local, com monitorização cardíaca, e geralmente não apresenta complicações. Complicações graves ocorrem em apenas 0,5% dos casos e, portanto, o risco de perda visual irreversível devido ao Glaucoma não tratado justifica tal procedimento. O paciente é admitido no mesmo dia de sua alta e o olho permanece fechado somente até o dia seguinte à cirurgia. Durante alguns dias após a cirurgia, a visão pode se apresentar pior do que antes, exceto quando se realiza a extração de catarata combinada com trabeculectomia, procedimento geralmente acompanhado de melhora imediata da visão.