Cirurgia refrativa: o que é, quem pode fazer e como funciona

August 8, 2019

Usa óculos ou lentes de contato e quer se ver livre deles definitivamente? Então acompanhe no blog o que é e como funciona a cirurgia refrativa.

 

 

Os erros de refração são as doenças oculares mais comuns em todo o mundo. Disfunções como a miopia, a hipermetropia e o astigmatismo acontecem por vários fatores - externos e internos - e prejudicam a visão de pessoas de todas as idades.

Além dos óculos e lentes de contato, uma maneira de corrigir esse problema de forma permanente é através da cirurgia refrativa. Neste blog vamos te explicar quem pode realizar a intervenção cirúrgica, os tipos de cirurgia e as contraindicações. 

 

DOENÇAS REFRATIVAS 

Miopia, hipermetropia e astigmatismo. Essas doenças oftalmológicas são vícios de refração e, segundo estimativas do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), cerca de 70% da população brasileira sofrerá de alguma dessas alterações em algum momento da vida. 

Os três distúrbios afetam a maneira como nós enxergamos o mundo a nossa volta. As imagens ficam embaçadas, confusas e embaralhadas, e afetam a nossa qualidade de vida e desempenho, principalmente durante a idade escolar. 

 

PROCEDIMENTO CIRÚRGICO: UMA SOLUÇÃO PARA OS VÍCIOS DE REFRAÇÃO

A Cirurgia Refrativa é uma das mais conhecidas e realizadas quando o assunto é oftalmologia. Simples e realizada com anestesia local – aplicada através de colírios -, o procedimento não demanda internação e dura apenas alguns minutos.

Para a cirurgia é utilizado o Excimer Laser, aparelho que usa uma luz ultravioleta para remodelar a córnea, corrigindo os seguintes erros refrativos:

  1. Miopia;

  2. Hipermetropia;

  3. Astigmatismo;

  4. Miopia e astigmatismo;

  5. Hipermetropia e astigmatismo;

TIPOS DE CIRURGIA REFRATIVA

Apesar de utilizarem a mesma tecnologia, existem atualmente vários tipos de cirurgia refrativa. Entenda cada um deles:

 

Lasik (Laser Assisted In Situ Keratomileusis)

O Lasik é uma técnica realizada por meio de um corte fino no tecido da córnea, também conhecido como FLAP. Essa abertura é levantada para a passagem do laser até a área mais interna, promovendo a correção do vício de refração. Ao final do procedimento, o FLAP é reposicionado. 

A técnica é muito eficaz, mas como requer um tempo de cicatrização do FLAP, pode não ser a melhor opção. O ato de coçar e esfregar os olhos no pós-operatório pode fazer com que o FLAP saia do lugar antes da cicatrização total. O resultado dessa movimentação é a necessidade de realização de outro procedimento.   

Porém, ao mesmo tempo, o Lasik garante uma recuperação visual bem rápida, além de permitir que o paciente não sinta desconfortos durante e após a cirurgia. 

 

PRK (Photorefractive Keratectomy) 

O PRK é o nome dado à primeira técnica desenvolvida para cirurgia refrativa. O procedimento é realizado por uma raspagem das camadas mais externas da córnea, abrindo passagem para a aplicação do laser e da correção do vício de refração. 

Logo após o procedimento, o paciente recebe uma lente de contato na superfície corneana. Ela será retirada em até 10 dias e é importante para proteger o olho, aliviar o desconforto do pós-operatório e auxiliar na cicatrização. 

Quando comparado ao Lasik, o PRK tem uma recuperação mais lenta, o que pode incomodar muitos pacientes. O procedimento também é realizado com anestesia local tópica. 

 

Intralase 

Similar ao Lasik, a cirurgia Intralase se diferencia por não promover o corte na córnea e consequentemente por não criar o FLAP. Desse jeito o procedimento é mais seguro, menos invasivo e não oferece os riscos de uma segunda cirurgia. 

 

Cirurgia Customizada 

Esse tipo de procedimento é realizado a partir de um sistema de comprimento de ondas, permitindo uma correção mais precisa e personalizada.

O que isso quer dizer? Bom, a técnica busca por imperfeições na superfície da córnea. Desse jeito é possível identificar lacunas e erros, mesmo após uma cirurgia refrativa anterior. 

Essa tecnologia apresenta resultados mais interessantes em pacientes com astigmatismo ou que buscam por correções em olhos já operados, mas que ainda sofrem com desconfortos visuais. 

 

QUEM PODE REALIZAR A CIRURGIA REFRATIVA? 

Apesar de simples, rápida e segura, nem todo mundo pode passar pela cirurgia refrativa. Para ser um candidato ao procedimento, é preciso preencher alguns requisitos, como:

  • Ter o grau estabilizado por, pelo menos, um ano;

  • Ter mais de 21 anos, idade em que o grau costuma parar de sofrer alterações;

  • Fazer todos os exames exigidos pelo médico Oftalmologista;

  • Não apresentar contraindicações e problemas oculares nos resultados desses exames;

  • Não estar grávida.

QUAIS SÃO AS CONTRAINDICAÇÕES? 

Mesmo com a necessidade de exames para a confirmação da saúde ocular, algumas doenças e condições pré-existentes fazem com que a cirurgia refrativa seja contraindicada. Os grupos que não podem passar pelo procedimento são: 

 

Pacientes com ceratocone: essa condição altera a estrutura da córnea, deixando-a mais fina, ou seja, sem “espaço” para o laser atuar.  

 

Portadores de doenças autoimunes: apesar de o laser garantir uma recuperação mais rápida, pacientes que possuem Lúpus ou Artrite Reumatoide podem ter reações inflamatórias ou dificuldades de cicatrização.  

 

Diabéticos: os portadores do diabetes sofrem com dificuldades na cicatrização, o que pode gerar complicações. Outro fator que pode atrapalhar a cirurgia refrativa é a variação na taxa de glicose no sangue. A condição pode causar alterações no grau dos óculos, atrapalhando a eficácia do método. 

 

Pacientes com catarata: existem tratamentos específicos para a catarata que corrigem a opacificação do cristalino ocular e, consequentemente, os vícios de refração. Isso acontece porque uma nova lente intraocular é aplicada para substituir a afetada pela doença. Ou seja, os olhos recebem lentes novinhas, sem nenhuma modificação. 

 

PÓS-OPERATÓRIO E RECUPERAÇÃO 

A cirurgia refrativa é um procedimento simples, em todas as suas etapas. A cooperação do paciente também é muito importante para que ele volte às suas atividades normais o quanto antes. Os cuidados no pós-operatório são muito importantes para que não haja problemas graves, como a necessidade de uma segunda cirurgia ou o comprometimento da cicatrização. 

 

A recuperação da cirurgia refrativa é rápida. Normalmente em até dois dias após o procedimento o paciente pode voltar à rotina normal. A melhora na visão costuma aparecer após a cirurgia, mas o tempo esperado para a recuperação total da visão é de até três semanas. 

 

Obviamente esse material não dispensa a orientação e uma boa conversa com o médico Oftalmologista. Por isso, quando pensar em cirurgia refrativa, pense na UPO. 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

E-book: Cirurgia Refrativa - O que é, quem pode fazer e como funciona

July 26, 2018

1/3
Please reload

Posts Recentes